Algumas Pyladies bioinfo, participantes, da 2ª aula de Biopython

Em meados do ano 2020, com o crescimento das PyLadies Brasil no Slack, algumas PyLadies se organizaram e criaram um canal com intuito de unir mais meninas e mulheres para estudar Bioinformática (#brasil-pyladies-bioinformatica) a qual é a área em que utiliza os métodos computacionais para analisar e compreender os fenômenos biológicos, em especial, os moleculares. Foi assim que surgiu o grupo de Bioinformática das PyLadies Brasil.

Para a identidade do grupo de bioinformática, criamos algumas bonecas das PyLadies: a primeira com duas tranças que remetem a ideia da dupla hélice do DNA com as cores igual ao símbolo da biopython; e a segunda com a tiara contendo a dupla hélice do DNA que também remete a ideia do símbolo biopython; e a terceira sendo uma versão preta da primeira boneca.

Por que nos reunimos para estudar bioinformática?

Assim como todas as áreas da computação, a Bioinformática ainda é predominantemente masculina. Logo, reunir as meninas para se apoiarem, estudarem e discutirem sobre Bioinformática, nos faz ver o quanto podemos juntas ser e fazer melhor. E, sabe-se que a diversidade promove mais inovação tecnológica e o céu é o limite para nossos sonhos.

Qual é a dinâmica do grupo de estudo?

Inicialmente, o grupo no Slack consistia apenas na divulgação de eventos, cursos, palestras e materiais de estudo na área. Tempo depois, uma das PyLadies, Thayana Tavares teve uma ideia: a organização de um grupo de estudos para a resolução de exercícios de bioinformática utilizando o python e a partir da proposição dos desafios apresentados na plataforma da Rosalind.

A dinâmica do grupo de estudo, primordialmente, é orientada pelo cronograma dos desafios que foram divididos entre fases com encontros quinzenais, aos domingos de manhã onde são apresentadas as resoluções e discutidas de forma virtual. Assim, temos participantes de várias localidades. Posteriormente, os códigos são inseridos no repositório do grupo de estudo para que outras pudessem aprender com eles, quando encontrado alguma dificuldade uma pode colaborar na resolução do código de outra, assim documentar a evolução.

Com o ingresso de novas membras ao grupo de estudo, nos reorganizamos em dois grupos para resolução dos desafios da Rosalind, sendo que o grupo 1 encontra-se na fase 2 e o grupo 2 encontra-se na fase 1. Durante o encontro, reservamos um tempo para cada grupo expor o código e compartilhar suas observações.

E a biblioteca Biopython?

Ao aproveitar o crescimento do grupo e por haver muitas PyLadies interessadas em aprender cada vez mais assuntos relacionados à área, decidimos criar uma outra forma de estudo, dessa vez voltado a discutir a biblioteca Biopython, que é um pacote escrito em Python para manipulação de dados biológicos; essa biblioteca faz parte da coleção de Bio projetos open-source mantidos pela Open Bioinformatics Foundation e apresenta uma coleção de classes, módulos, submódulos e subpacotes para:

  • Análises de sequências biológicas;
  • Alinhamentos de sequências;
  • Estruturas de proteínas;
  • Genética de populações;
  • Filogenia;
  • Visualização de dados biológicos;
  • Detecção de regiões motif em sequências;
  • Machine learning para biologia.

É importante frisar que o estudo da biblioteca Biopython ocorre quinzenalmente, quinta-feira, às 20:00 horas e em formato de aula. As aulas ministradas por uma das Pyladies e todo o material de estudo ficará armazenado no repositório no github. Conforme mostra a imagem:

Um convite...

Recentemente, fomos convidadas para dar um minicurso no Congresso Latinoamericando Women in Bioinformatics and data science (WBDS), em agosto de 2021. Estamos nos preparando para realizar esse minicurso. Em breve, relataremos os próximos acontecimentos.

Vem para o grupo de Bioinformática das PyLadies

Se você ficou interessada em participar das Pyladies Bioinfo é só nos procurar no canal do Slack (#brasil-pyladies-bioinformatica). Estaremos disponíveis para esclarecer qualquer eventual dúvida em relação ao grupo de estudo de bioinformática.

Gostou? Compartilhe:

Comments